Fale connosco
English

INEGI lança formação online sobre Tecnologias e Economia do Hidrogénio

04 junho 2020
A cadeia de valor, os desafios e as oportunidades da utilização do hidrogénio produzido com base em energias renováveis enquanto vetor energético são os pontos centrais da formação avançada "Tecnologias e Economia do Hidrogénio”, a mais recente adição à oferta formativa do INEGI.

Com candidaturas abertas e início a 23 de setembro, esta formação, que conta com a Smartenergy como entidade parceira, tem como objetivo fornecer aos participantes instrumentos para um claro entendimento da área regulatória, modelos de negócio e cadeia de valor do hidrogénio, com particular enfase nas suas componentes técnicas, assim como as oportunidades e desafios associados.

Zenaida Mourão, responsável pela área de Energia do INEGI e docente do programa, salienta a relevância do tema. "O hidrogénio tem um papel importante na transição energética, surgindo, aliás, como um dos vetores chave para a descarbonização na estratégia base do European Green Deal. Promete ter um papel relevante na otimização e descarbonização das redes de gás natural, como vetor de incremento de flexibilidade dos sistemas de energia, e como fonte de energia transversal na indústria e na mobilidade”, afirma.

Hidrogénio ganha relevo no panorama energético português

"A recente publicação da Estratégia Nacional para o Hidrogénio e o anúncio de diversos investimentos em projetos de investigação, desenvolvimento e demonstração no âmbito da economia do hidrogénio tornou clara a necessidade de dotar os profissionais do conhecimento necessário para potenciar a sua intervenção na transição energética", acrescenta Ricardo Barbosa, cocoordenador do programa.

A construção dos conteúdos programáticos, conta o especialista, envolveu "conversas com diversos atores nacionais envolvidos na temática do hidrogénio, cujos inputs foram também incorporados no programa".

Este destina-se principalmente a profissionais do setor energético e outros setores de atividade onde a transição energética poderá ter grande impacto, nomeadamente, indústrias com elevados consumos de energia, a indústria química, vidreira, cerâmica e a siderurgia, empresas de transportes, e gestores de portfólios de assets energéticos.

A formação decorrerá numa sala de aula virtual, em formato livestream, num total de 10 sessões de 4 horas cada. O ensino à distância, vai permitir a todos os participantes adquirir conhecimentos independentemente da sua localização, ao mesmo tempo que participam nos debates e obtêm feedback em tempo real.

Clique AQUI para conhecer o programa e saber como se inscrever.