Fale connosco
English

INEGI colabora no desenvolvimento de novo dispositivo para fortalecer a musculatura pélvica

12 agosto 2020
A incontinência urinária é a disfunção mais prevalente do pavimento pélvico na mulher, estimando-se que cerca de 303 milhões de mulheres sofrem da doença em todo o mundo.  

O treino dos músculos do pavimento pélvico é o tipo de intervenção com maior evidência científica, para combater esta e outras disfunções que provocam o enfraquecimento da musculatura pélvica, uma vez que promove a melhoria das diferentes variáveis da função destes músculos.  

Embora haja já no mercado diversos dispositivos para exercitar estes músculos, com características, complexidade e custos variados, Alice Carvalhais e Renato Natal Jorge, ambos Investigadores do INEGI e do LAETA – Laboratório Associado em Energia, Transportes e Aeronáutica, encontraram uma forma de tornar esta terapêutica mais eficaz e mais confortável para a paciente e para o fisioterapeuta que a acompanha. 

Novo equipamento é mais simples e eficiente face aos que existem no mercado 

Trata-se de um novo dispositivo que permite englobar diferentes características num só equipamento. "Possibilita fazer, de maneira muito fácil e intuitiva, os ajustes adequados para que essa intervenção seja o mais orientada possível para alcançar os objetivos pretendidos, num espaço de tempo mais curto. Para além disso permite monitorizar em tempo real e de forma simples, a qualidade e intensidade da contração e do relaxamento desta musculatura”, explicam os inventores da tecnologia.

Os próximos passos incluem o desenvolvimento do dispositivo em duas versões: uma consiste num equipamento mais básico, puramente mecânico, e outra inclui componentes mais tecnológicos, sendo que ambas podem ser usadas tanto no domicílio como em clínica. 

Para tal, a equipa de investigadores encontra-se a estabelecer contactos com vista à criação de parcerias com empresas ou investidores, que permitam reunir as condições para o desenvolvimento e produção do equipamento final, e respetiva comercialização

A patente nacional já foi formalizada e a internacional encontra-se já submetida.