Fale connosco
English

COPERNICUS: INEGI vence contrato de 1.5 milhões da Agência Espacial Europeia para criar tecnologias para o espaço

27 julho 2020

O INEGI é uma de 5 entidades portuguesas selecionadas pela Agência Espacial Europeia (ESA – European Space Agency) para desenvolver equipamentos para as missões espaciais do programa Copernicus. O contrato, no valor de 1,5 milhões de euros, terá como foco a criação de equipamentos para testes de satélites espaciais.

Estes satélites são a base do programa Copernicus, uma iniciativa europeia de monitorização ambiental que irá, através destes equipamentos, recolher informação operacional sobre o território mundial, os oceanos e a atmosfera para apoiar as políticas ambientais e de segurança da União Europeia.

O concurso lançado pela ESA insere-se no Copernicus High Priority Missions, a próxima fase do programa Copernicus, e é uma joint venture entre a ESA e a Comissão Europeia no setor espacial, cofinanciada por ambas as instituições.

No total são 2,5 bilhões de euros em contratos de desenvolvimento para 6 futuras missões espaciais, que exigem a construção de 12 novos satélites europeus. Segundo a Agência Portugal Space, o país, através do INEGI e das empresas Active Space Technologies, Critical Software, Deimos Engenharia, e FHP, arrecada contratos com um total de 10 milhões de euros.

Capital de experiência do INEGI no setor Espaço foi determinante

Nas mãos da equipa de especialistas do INEGI está o desenvolvimento de equipamentos que permitirão realizar diversos testes aos sistemas a serem utilizados para a monitorização da temperatura da superfície dos oceanos, concentração de gelo e salinidade do mar. "Vamos realizar testes nos quais já temos experiência como ensaios funcionais, repetibilidade e distorção térmico-elástica de sistemas e estruturas desdobráveis, nomeadamente, braços articulados e refletores. O trabalho pelo qual somos responsáveis vai validar a performance e os requisitos técnicos dos sistemas em terra, de forma a caracterizar o seu funcionamento em órbita, antes do lançamento para o espaço”, explica Ricardo Lopes, membro da equipa do INEGI dedicada ao programa Copernicus.

José Sampaio, responsável pela área de Inovação e Transferência de Tecnologia no INEGI, salienta que o projeto "comprova o reconhecimento da nossa capacidade de contribuir para a construção de equipamentos espaciais e reforçar a independência europeia no espaço”. Afirma ainda que o contrato é "resultado do trabalho realizado nos últimos seis anos em projetos de alta qualidade e complexidade neste contexto”, uma vez que o INEGI tem vindo a trabalhar com a ESA, e com outros players determinantes no setor, no desenvolvimento de equipamentos e tecnologias para missões espaciais.

O projeto LEA - Large European Antenna, ainda em curso, no âmbito do qual o INEGI está a desenvolver equipamentos que vão testar e validar o funcionamento no espaço da primeira antena europeia desdobrável de grandes dimensões, uma das mais indispensáveis e críticas tecnologias para os satélites do futuro, é exemplo da experiência acumulada do INEGI, que se reflete diretamente no trabalho que será agora desenvolvido para o programa Copernicus.